Contatos:

22  2724-0945

blog@letraespirita.com.br

© 2018 por Equipe Letra Espíírita

  • Letra Espírita

A Influência da Ambição Financeira para a Evolução do Espírito

Atualizado: Jan 3



Por: Jéssica Araújo


‘’...não ambicionais coisas altas, mas acomodai-vos as humildes’’. Paulo. Romanos 12:16


A palavra ambição possui dois sentidos, dois pesos em nossas vidas. Ser ambicioso nos impulsiona a ser melhor, a ter sonhos e objetivos a conquistar e concretizar, não ser ocioso, não procrastinar, nos motiva a estudar, adquirir conhecimentos nos alimentando positivamente. Por outro lado, existe a ambição que não tem limites, tornando o ser humano egoísta, mesquinho, não respeitando os próprios princípios e valores, passa por cima de seus próprios sentimentos e sentimentos alheios sem a consciência do que irá resultar futuramente. Essa diferença fica clara em O Evangelho Segundo o Espiritismo, capítulo III, ‘’O homem não procura elevar-se acima do homem, mas acima de si mesmo, aperfeiçoando-se. Seu objetivo é chegar entre os Espíritos puros, e esse desejo incessante não é um tormento, mas uma nobre ambição que o faz estudar com ardor para conseguir igualá-los’’.


A ambição está em todo lugar, seja ambicionar um relacionamento, não aceitar a felicidade alheia, ambicionar o status do seu colega, a vida que seu vizinho leva, isso o incomoda, o desiquilibra. Vivemos em um mundo em uma sociedade materialista, pessoas que se corrompem por dinheiro, vemos isso na política onde são tão ambiciosos os políticos que roubam dinheiro público, tiram dos mais necessitados o direito a saúde, educação, moradia, onde o que importa mais do que seu caráter, é a roupa que você veste, o mais importante do que ser saudável é saber se a compra do carro do ano irá se concretizar, a influência diária que se recebe através de contatos, mídias é significativamente grande, moldando estilos de vidas sem valores, princípios não saudáveis ,pois antes de tudo somos espíritos em evolução em um corpo carnal, em O Livro dos Espíritos Livro II, capítulo VI é abordado e explicado como nossas atitudes na Terra acarretam nossas escolhas:’’ Quantos males e enfermidades o homem não deve aos seus excessos, a sua ambição, numa palavra, as suas paixões? O homem que sempre tivesse vivido sobriamente, que não tivesse abusado de nada, que sempre tivesse gostos simples e desejos modestos, ter-se-ia poupado de muitas tribulações. O mesmo se dá com o Espírito. Os sofrimentos por que passa são sempre a consequência da maneira como viveu na Terra’’.


Esse vazio interno pela importância que se dá ao material, por essa busca desenfreada tornando-as infelizes, acarreta sem dúvidas doenças como transtornos, atualmente vemos crianças com depressão, a tristeza sem motivo aparente, suicídios, câncer, como tantas outras, pois não se tem paz, não existe equilíbrio emocional em sua vida, não que apenas a ambição gere esses transtornos mas antes de tudo temos de nos abastecer de fé, nos alimentar da caridade sem olhar a quem, nos nutrir de amor a nós e ao próximo. Essa sede de conquista, de egoísmo gera vibrações baixas, vazios na alma, a falta de empatia ao próximo, a falta de caridade num mundo onde cada vez mais as pessoas precisam uma das outras, essa falta ao próximo é respondida na questão 923-O Livro dos Espírito: ‘’ O que seria supérfluo para uns não se torna necessário para outros, e assim reciprocamente, de acordo com as suas respectivas posições?


-Sim, segundo vossas ideias materiais, vossos preconceitos, vossa ambição e todos os vossos ridículos defeitos, aos quais o futuro fara justiça quando compreenderdes a verdade. Sem dúvida aquele que tinha cinquenta mil libras de rendimento e a visse reduzida a dez, iria considerar-se bem infeliz, porque não pode mais ter a mesma imagem, manter aquilo que chama o seu nível, ter cavalos, lacaios, satisfazer a todas suas paixões etc. Acredito que lhe falta o necessário. Mas francamente, achas que ele tem do que se lamentar, quando, ao seu lado, há quem morra de fome e frio, sem ter um abrigo para repousar? O sábio para ser feliz, olha para baixo, e nunca para cima, a não ser para elevar sua alma rumo ao Infinito’’.


Essa incansável e maçante luta interna se torna um vício, pois a ambição financeira e materialista não cessa, não tem limites, o maior problema para essa pessoa é nunca estar satisfeito consigo mesmo, com seus bens, com o que adquiriu, nunca é o suficiente, tornando-a sem dúvidas amarga, infeliz, invejosa. Há a necessidade de serem aceitos perante a sociedade através do seu nível financeiro elevado, colocam os propósitos de vida apenas para o crescimento financeiro, deixando de perceber os males adquiridos em sua passagem terrena, os débitos contraídos em vias as custas de quantos estão concretizando seus desejos, seu prestígio social, a não ser em prol do próprio egoísmo que já o cegou. Esses sentimentos as consomem, sem descanso, as perturbam sem ponderar ,fecha-se a janela da alma para a elevação espiritual, pois o egoísmo é um sentimento destruidor, existe apenas para si só, apenas suas realizações e vontades são importantes, pois para ele a vida termina quando se fecha os olhos carnais, o futuro é apenas o amanhã, não vê que em sua essência há a necessidade de disciplina e o aprendizado espiritual é eterno! Nesses momentos de falhas, espíritos trevosos não instruídos, tem mais facilidade de influenciar essas pessoas vampirizando ou obsidiando, pois no momento encontram-se em mesma sintonia de raiva, inveja, ganancia, tornando-as vulneráveis ,esses espíritos se aproveitam desses abismo morais para se satisfazerem, se sentirem poderosos mesmo não mais encarnados. Os sofrimentos terrenos são duros, mas no seu desencarne não terá um alívio menor, pois sua consciência o julgará, o remorso, a culpa, a falta de seus bens e seu status já não terão valor algum. Esse sofrimento se dá pela ligação do seu corpo e espírito, e dependendo do seu grau de evolução poderá ser maior ou menor o seu processo de desprendimento no desencarne. Aprender a desapegar-se de bens materiais, de vícios enquanto se vive neste plano é fundamental para nossa evolução espiritual e futuramente para menores sofrimentos para o espírito no desencarne, pois apenas mudamos de planos, do material para o espiritual, através da desmaterialização da alma.


A ambição é o véu sobre seus olhos, onde apenas enxerga aquilo que toca, o que é tangível, atrasando sua evolução, desperdiçando a oportunidade da reencarnação dada por Deus para que se possa pagar débitos de vidas passadas. Trabalhe na sua evolução diária, sua purificação, reprima suas paixões desmedidas e apegos supérfluos, compreenda que a vida não acaba, e que sim, todos farão sua passagem para o plano espiritual, não levando carro, casa, dinheiro, será você e sua consciência, você e seus débitos. Para o materialista se faz difícil essa compreensão do que não se vê, e em sua passagem sofrerá a perturbação de ‘’não ter nada’’, não aceitar a morte para a nova vida que o espera.


Ser humilde, saber respeitar o próximo, aprender a compartilhar, pois nossos irmãos necessitados carecem de um prato de comida, um cobertor, saber que sua dor não é maior e mais urgente dos que vivem necessitados, o que falta para você é abundante ao próximo! As felicidades que dependem de coisas da Terra, não tem duração perante a eternidade do ser. Apenas Deus está conosco em todas as horas, em todas as verdades e em todos caminhos!


Referencias:

https://www.bibliaonline.com.br/acf/rm/12, acesso 21 ago.2019

KARDEC, Allan, O Evangelho Segundo o Espiritismo, são Paulo ,1º edição eletrônica, editora EME.

KARDEC, Allan, O Livro dos Espíritos, 1º edição eletrônica, editora EME.

SCHUTEL, CAIRBAR, A vida no outro mundo, versão digital 2011, www.luzespirita.org.br acesso 21 ago., 2019


----------------------

Conheça o Clube do Livro Letra Espírita em www.letraespirita.com.br e associe-se para receber em sua casa o melhor da literatura espírita.