• Letra Espírita

No Deserto do Silêncio



Por: Leda Maria Flaborea


“E ele lhes disse: vinde vós aqui, à parte, a um lugar deserto, e repousai um pouco”.

Marcos, 6: 31


No livro Caminho, Verdade e Vida, psicografado por Francisco Cândido Xavier, lição 168, o estimado benfeitor Emmanuel adverte: “Nossa mente sofre sede de paz, como a terra tem necessidade de água fria. Vem a um lugar à parte, no país de ti mesmo, a fim de repousar um pouco. Esquece as fronteiras sociais, os controles domésticos, as incompreensões dos parentes, os assuntos difíceis, os problemas inquietantes, as ideias inferiores. Concentra-te, por alguns minutos, em companhia do Cristo, no barco dos teus pensamentos mais puros, sobre o mar das preocupações cotidianas... Basta que te cales e Sua voz falará no sublime silêncio”.


Com este convite ele nos conclama à calma para a reflexão: estamos cansados de fazer e desfazer caminhos? As perturbações dos ambientes que frequentamos nos angustiam? Sentimentos contraditórios que passeiam entre a luz e a sombra atormentam nossos corações? Tudo isso é natural se levarmos em conta o momento evolutivo pelo qual todos nós, habitantes deste mundo de provas e expiações, estamos passando. Em verdade, testemunhamos dolorosas recapitulações por escolhas infelizes, mal conduzidas, em passado longínquo, ou nem tanto, sendo muitas delas na atual experiência terrena, que nos trazem tantas aflições.


Todavia, ante a lição, é preciso buscar o entendimento sobre ela através da meditação. Se temos sofrimentos em nossa existência, também temos luzes e é preciso reconhecê-las pelo coração. O apóstolo Paulo de Tarso, na II Carta a Timóteo, capítulo 2, versículo7, diz que é preciso examinar, refletir sobre o que ele, Paulo, diz, porque o Senhor nos dará entendimento em tudo, se prestarmos atenção aos ensinamentos de Vida Eterna que Ele nos envia, porque em retribuição a nossa real vontade de melhora pessoal, tudo entenderemos.


“Vinde vós aqui, à parte, a algum lugar deserto, e repousai um pouco”,asseverou o Mestre a todos os discípulos do Evangelho, de todas as épocas. E cabe a cada um de nós, individualmente, aprender o caminho para esse lugar onde Jesus nos espera para o repouso devido ante as lutas diárias.


Entretanto, se necessitamos encontrar o caminho para esse refúgio, da mesma forma precisamos saber que “lugar à parte é esse”. Sem dúvida, como todos os ensinos evangélicos, esse também vem como símbolo precioso, representando nosso coração, santuário íntimo, sempre sequioso de amor e luz. Em momento algum se referiu Jesus aos desertos do mundo ou a lugares comuns na Natureza, que favoreçam a meditação. Ele vai além, muito além. Refere-se ao lugar silencioso dentro de nós mesmos, onde ouviremos Sua voz doce e amorosa para o reconforto do nosso espírito.


O convite para buscarmos esse lugar em nós é cada vez mais oportuno nos dias que se seguem. Em todos os cantos da Terra, sejam nas ruas, estradas, transportes coletivos, existe uma multidão de seres que vão e vêm angustiados, temerosos pelos interesses imediatistas, sem tempo e sem vontade para a recepção do alimento espiritual. Quantas pessoas atravessam a existência terrena famintas pelas posses materiais, pelas aventuras emocionais, voltando sempre desiludidas ou entediadas? Nunca houve tantos templos de pedra para as manifestações de religiosidade cujos dirigentes, muitas vezes, só se preocupam com a manifestação externa, com os ritos que atraem tantas criaturas ingênuas, que na busca de soluções imediatistas para seus problemas, deixam-se enredar pelas vilanices desses exploradores da fé, que deveriam levar o reconforto, o consolo e o esclarecimento à elas.


O mundo moderno facilita a vida de todos nós com o progresso que proporciona, porém, é verdade, também, que nunca se viu tanto sofrimento, tanta desesperança, discórdias, medos, guerras...


Os ensinamentos de Jesus não se fixam no mundo externo e, sobre isso, Emmanuel afirma judiciosamente no livro Fonte Viva, lição 147, o seguinte: “Como acontecia nos tempos da permanência de Jesus no apostolado, a maioria dos homens permanece no vaivém dos caminhos, entre a procura desorientada e o achado falso, entre a mocidade leviana e a velhice desiludida, entre a saúde menosprezada e a moléstia sem proveito, entre a encarnação perdida e a desencarnação em desespero”. (...) “Refugia-te no templo à parte, dentro de tua alma, porque somente aí encontrarás as verdadeiras noções da paz e da justiça, do amor e da felicidade reais, a que o Senhor te destinou”.


Todo discípulo do Evangelho precisa de coragem e de real vontade para realizar os serviços de redenção em si mesmo. Esse caminho é repleto de espinhos e a preparação para essa caminhada vai requerer algumas renúncias e alguns sacrifícios, e por isso mesmo a disciplina, o estudo, o esforço e o próprio trabalho serão importantes ferramentas para o sucesso da empreitada.


Essa carga, na maioria das vezes, assusta e muitos desistem antes mesmo de começarem. Por isso muitos são os escolhidos e poucos os que se apresentam. É um trabalho diário para que aprendamos a nos renovar no espírito do Mestre, compreender Seus ensinamentos e o nosso semelhante. Para que isso aconteça, mister se faz que o silêncio íntimo aconteça, na mente e nos lábios, a fim de ouvirmos as sugestões de amor que emanam do Alto, nos retemperando com as energias da misericórdia e da bondade.


A nossa escolha em querer encontrar o caminho desse lugar à parte, em nós, é absolutamente solitária, porque o quando e o como Jesus entrará em nossas vidas será, sempre, tarefa de cada um.


==========

Bibliografia

XAVIER, F. C. Vinha de Luz. Ditado pelo Espírito Emmanuel – 31ª edição, FEB, Brasília/DF – lição 4 – 2005.

Idem. Pão Nosso. Ditado pelo Espírito Emmanuel – 17ª, FEB, Brasília/DF – lição 34 -1996.


--------------

Conheça o Clube do Livro Letra Espírita em www.letraespirita.com.br e associe-se para receber em sua casa o melhor da literatura espírita.

Contatos:

22  2724-0945

blog@letraespirita.com.br

© 2018 por Equipe Letra Espíírita