Tópicos

O Que o Espiritismo Fala Sobre Oferendas?


Cecilia Alves Feitoza


Inicialmente cumpre esclarecer que o presente artigo não visa suscitar quaisquer tipos de preconceitos contra crenças ou religiões, mas sim esclarecer a visão espírita a respeito da realização de sacrifícios e oferendas.


Para tanto importa que definamos o que são sacríficos e oferendas para posteriormente discorremos sobre a temática.


Conforme definição do minidicionário de língua portuguesa sacrifício é uma oferta solene a uma divindade, já oferenda é um objeto que se oferece, Depreende-se daí que se trata do oferecimento de algo a um ente ou a um ser.


O Livro dos Espíritos discorre sobre esta temática em sua terceira parte – Capítulo II, nas perguntas 669 e seguintes nos ensinando que os sacrifícios e oferendas possuem sua origem na antiguidade e que naquelas épocas primitivas não havia uma compreensão a respeito da bondade divina, tampouco que as questões de ordem espiritual estavam acima das questões de ordem material, o que fazia com que sem sombra de dúvidas se propagasse aquela época crenças de cunho material.


A propagação de crenças materialistas bem como o primitivismo ao qual estavam submetidos os povos antigos, onde não havia a crença em um Deus que fosse todo bondade, e a ausência de senso moral desenvolvido levou naquele momento histórico a criação de rituais com animais e ou com seres humanos.


O Livro dos Espíritos segue nos ensinando que estes rituais e oferendas não surgiram do desejo humano de praticar o mal ou de realizar atos cruéis, mas sim do desejo de agradar a Divindade através dos sacrifícios. Entretanto com o passar dos tempos os homens viram na prática destes rituais uma forma também de atingirem / machucarem os seus inimigos e desafetos. Entretanto em que pese estas atitudes estes tipos de oferendas ou sacrifícios nunca foram uma exigência Divina, pois que Deus é todo bondade e amor.


A respeito das ofertas mais agradáveis a Deus vejamos o que está disposto na Bíblia no Evangelho de Mateus, capítulo 5, versículos 23 a 25:


Portanto, se trouxeres a tua oferta ao altar, e aí te lembrares de que teu irmão tem alguma coisa contra ti, deixa ali diante do altar a tua oferta, e vai reconciliar-te primeiro com teu irmão e, depois, vem e apresenta a tua oferta. Concilia-te depressa com o teu adversário, enquanto estás no caminho com ele, para que não aconteça que o adversário te entregue ao juiz, e o juiz te entregue ao oficial, e te encerrem na prisão.


Sobre o mesmo tema dispõe o Evangelho Segundo Espiritismo em seu capítulo X no trecho: O Sacrifício mais agradável a Deus. O referido trecho do Evangelho é uma elucidação dos versículos bíblicos apontados acima.


Nessa toada o Evangelho Segundo o Espiritismo segue afirmando que Jesus deixa claro que o sacrifício que é mais agradável a Deus não é o de cunho material, no qual há o oferecimento de objetos ou animais, mas sim os sacrifícios de ordem espiritual, no qual o homem oferece sua alma purificada.


O que quer dizer oferecer em sacrifício (oferta) a sua alma purificada? Significa dizer que mais agradável a Deus é que o homem se depure de suas vicissitudes do que lhe oferecer ofertas de cunho material, ou seja, destaca-se a importância de que o homem se depure (reforma íntima) e se espiritualize em consequência da referida depuração.


O Livro dos Espíritos em sua questão 672 traz o questionamento de que não seria mais agradável a Deus a oferta de frutos ou coisas ligadas a terra do que o sacrifício de animais? Logo em seguida temos a resposta de que Deus terá em conta a intenção da pessoa que praticou o fato muito mais do que o fato em si. Sendo certo que a ele seria mais agradável a oferta de uma prece de cunho sincero e repleta de fé do que a oferenda de algo puramente material.


Ou seja, Deus não se prende a cultos exteriores mas a sinceridade dos atos e a pureza do coração. A este respeito se pronuncia ainda Emmanuel através da mediunidade de Francisco Cândido Xavier, no livro intitulado Pão Nosso (1995, p.200) nos ensinando que o homem através da realização de oferendas muitas vezes têm por escopo (objetivo) atrair para si a simpatia Divina para a realização de seus desejos, ou ainda possuem frequentemente por intento adquirir os favores divinos sem esforço e merecimento.

Emmanuel segue apontando o modelo do próprio Cristo que não ofereceu sacrifícios ou qualquer outro tipo de troca para obter os favores Divinos, mas sim cumpriu sua própria responsabilidade com os desígnios já traçados para ele por Deus.


Do que fora exposto depreende-se que o homem ao se deparar com os problemas da vida não raras vezes procura negociar com Deus meios para livrar-se ou eximir-se de suas dificuldades, o que no caso em exposição procura fazer através de ofertas ou sacrifícios.


O Evangelho Segundo Espiritismo em seu Capítulo V, Bem-aventurados os Aflitos (2000, p.76) nos traz o seguinte questionamento. É permitido ao homem amenizar as próprias provas (dificuldades)?


Logo em seguida vem o convite a reflexão através também de questionamentos. É permitido ao que se afoga tentar salvar-se? Ao que foi cravado por espinho, retirá-lo?


O Evangelho Segundo o Espiritismo segue nos ensinando que as provas enfrentadas pelo homem tem por objetivo o exercício da paciência, resignação, bem como o depuramento do indivíduo através da reforma íntima (melhora de caraterísticas de cunho moral), o que significa dizer que o advento (vinda) das dificuldades não deve ser encarado com revolta, mas sim como uma etapa do processo evolutivo, e é sim, permitido ao homem amenizar os seus sofrimentos bem como os do próximo, como será melhor explicado a seguir.


A possibilidade de diminuir os sofrimentos pode ser traduzida do seguinte modo: Quando nos deparamos com uma dificuldade podemos / devemos procurar meios para saná-la, entretanto quando não dispomos de meios práticos para fazê-lo devemos exercitar a nossa fé e a nossa paciência.


O exercício das referidas virtudes já é em si a um só tempo um bálsamo e uma oferenda de cunho espiritual, oferta mais agradável a Deus, pois proveniente de um coração sincero e que está mais voltado a questões de cunho espiritual do que material ao se dirigir a Deus.


Caro leitor, deixamos como última reflexão o encorajamento para que enfrentemos as lutas diárias sem lamentações, mas com coragem e fé no que não nos for permitido evitar ou amenizar (oferenda espiritual), pois bem-aventurados os aflitos pois estes serão consolados.

BIBLIOGRAFIA:

Bíblia Sagrada: Edição Pastoral, Editora Paulus

Bueno, Silveira: minidicionário da língua portuguesa, - 2. ed. - São Paulo, FTD, 2007

Emmanuel (Espírito), psicografado por Francisco Cândido Xavier: Pão Nosso, 17º Edição, FEB

Kardec, Allan: O Evangelho Segundo o Espiritismo, 41º reimp. Jan 2018 – Capivari, SP, Editora EME.

Kardec, Allan: O Livro dos Espíritos, 24º reimp. Fev 2019 – Capivari, SP, Editora EME.


2,219 visualizações
Postagens Recentes