top of page
Tópicos

Em Busca da Renovação Espiritual



A todos nós, sem nenhuma exceção, cabe a tarefa incessante e gratificante de evoluir. Seres imortais que somos, trazemos impregnado em nossos espíritos o desejo sempre crescente de melhorar como pessoa, para si próprio e para os outros. A nós cabe a tarefa individual, mas nunca solitária, de buscar nosso crescimento, e tudo isso passa pelas leis do progresso e pela nossa velha conhecida, reforma íntima.

O Livro dos Espíritos, em seu Capítulo VIII, dedica especial atenção à Lei do Progresso, que será destacado inicialmente no texto de hoje.

Questão 779 LE – O homem possui em si a força de progredir ou o progresso não é senão o produto de um ensinamento?

Resposta – O homem se desenvolve, ele mesmo, naturalmente. Mas nem todos progridem ao mesmo tempo e da mesma forma; é então que os mais avançados ajudam o progresso dos outros, pelo contato social.

Na resposta a essa primeira questão, entende-se o porquê de dizer que buscar o crescimento pessoal é uma tarefa individual, mas nunca solitária. Crescer é uma decisão particular, uma opção de vida, mas isso nunca será concretizado se nos isolarmos das outras pessoas. É sabido por todos que um defeito pessoal só pode ser melhorado se instigado. Por exemplo: se é necessário que se exercite a paciência, pois a temos bem curta, é preciso que alguém nos tire a paciência, teste-a. A solidão não concederia essa lição. O contato social nos auxilia na busca pelo progresso.

Questão 780 LE – O progresso moral segue sempre o progresso intelectual?


Resposta – É sua consequência, todavia, não o segue sempre imediatamente.

- Como o progresso intelectual pode conduzir ao progresso moral?

Resposta - Fazendo compreender o bem e o mal: o homem, então, pode escolher. O desenvolvimento do livre-arbítrio segue o desenvolvimento da inteligência e aumenta a responsabilidade dos atos.

- Como ocorre, então, que os povos mais esclarecidos sejam, frequentemente, os mais pervertidos?

Resposta – O progresso completo é o objetivo, mas os povos, como os indivíduos, não o alcançam senão passo a passo. Até que o senso moral se tenha neles desenvolvido, eles podem mesmo se servir de sua inteligência para fazer o mal. O moral e a inteligência são duas forças que não se equilibram senão com o tempo.

Em relação a esse questionamento, pode-se verificar que a moral é uma consequência da inteligência, mas nem sempre elas caminham de forma equiparada. Sem adentrar em questões polêmicas, a atualidade demonstra diversos fatos que nos fazem perceber que nem sempre a inteligência é companheira da moral, visto que algumas pessoas tomam atitudes contrárias aos ditames da moralidade, mesmo sendo seres de inteligência elevada pelos postos que ocupam. Violência, corrupção, guerras, armas nucleares nos provam que nem sempre o mais inteligente é o mais preocupado com a retidão de suas atitudes.

Questão 781 LE – É dado ao homem o poder de deter a marcha do progresso?

Resposta – Não, mas o de o entravar algumas vezes.

- Que pensar dos homens que tentam deter a marcha do progresso e de fazer a Humanidade retrogradar?

Resposta – Pobres seres que Deus castigará. Eles serão transportados pelas torrentes que querem deter.

Comentário de Allan Kardec à questão – O progresso, sendo uma condição da natureza humana, não está ao alcance de ninguém a ele se opor. É uma força viva que as más leis podem retardar, mas não sufocar.