top of page
Tópicos

Esquizofrenia na Visão Espírita


Janaína Magalhães


“A doença como a saúde resulta invariavelmente da posição interior de cada um”

Joanna de Ângelis


Ester, em plena festa de seus 15 anos, ao executar no piano um solo musical, entra em surto psicótico, com transfiguração facial, agressividades física e verbal dirigidas ao genitor, com gargalhadas e impropérios. Já no hospital psiquiátrico, apresentava alucinações auditivas e visuais, olhar esgazeado e pesadelos persecutórios. Diagnóstico: esquizofrenia. (FRANCO, 2015, p. 33-44)


O tema psicose ocupa um lugar central em psiquiatria, não somente pela dificuldade em encontrar um marcador biológico, como também do entendimento do que venha a ser psicose. A esquizofrenia, que é o ponto central da psicose, causa grande impacto na vida do indivíduo e de sua família, pelo seu caráter devastador e por acometer indivíduos jovens. O fato de ser na maioria das vezes incapacitante requer intervenção precoce nos surtos, incisiva, para retardar a evolução que quase sempre é dramática. Acomete ao redor de 1% da população, principalmente o sexo masculino em idade jovem, e está presente em todas as culturas e regiões geográficas, como em todas as camadas sociais. (PAULO, 2011, p.104)


Denominada por Freud como "neurose narcisista", indicada por Kraepelin, que estabeleceu como sintoma frequente a "indiferença ou embotamento afetivo", coube a Bleuler assinalar que o paciente é vítima de uma "desagregação do pensamento", que produz uma certa rigidez com extrema "dificuldade de exteriorização dos sentimentos", não sendo, portanto, imune à afetividade. Clinicamente apresenta-se sob três formas, consideradas clássicas: hebefrenia, catatonia e paranoia. Posteriormente foi acrescentada uma outra, que ficou denominada como esquizofrenia simples. (FRANCO, 2014, p.68)


Causas da esquizofrenia

As causas exatas da esquizofrenia ainda são desconhecidas pela medicina. Acredita-se que esse distúrbio possa surgir como resultado da interação de fatores genéticos, cerebrais e ambientais. Algumas pessoas podem ter a tendência de desenvolvê-la com o passar dos anos, já outras, um evento estressante ou emocional pode desencadear um episódio psicótico.


Fatores hereditários – A sua predisposição pode ocorrer nas famílias. Parentes de primeiro grau de um esquizofrênico, por exemplo, têm mais chances de desenvolver a doença. Por isso, se um dos pais tiver esquizofrenia, os filhos têm até 10% de chance de desenvolvê-la (CEMEC, 2019, on-line).


Fatores ambientais – A exposição a certas infecções virais; complicações da gravidez e do parto, como o uso de cigarro durante a gestação, o baixo peso ao nascer e a hipóxia (falta de oxigênio) durante o parto; más condições socioeconômicas; e o uso de certas drogas psicoativas ou psicotrópicas, como a maconha (CEMEC, 2019, on-line).


Alterações neuroquímicas – Pessoas com esquizofrenia também tendem a ter diferenças nas substâncias químicas do cérebro chamadas neurotransmissores, como a dopamina e o glutamato, que são responsáveis por controlar a comunicação cerebral. Nelas, eles costumam ser ou muito ativos ou não ativos o suficiente (CEMEC, 2019, on-line).


Sintomas

Em geral, os sintomas da esquizofrenia pertencem a quatro categorias principais:

· Sintomas positivos – Delírios (falsas convicções) e alucinações (ouvem, vêem ou sentem coisas que ninguém mais sente) (TAMMINGA, 2022, on-line).

· Sintomas negativos – Redução da demonstração das emoções, anedonia (diminuição da capacidade de sentir prazer) e insociabilidade (TAMMINGA, 2022, on-line).

· Desorganização – Pensamento desorganizado e comportamento bizarro (TAMMINGA, 2022, on-line).

· Comprometimento cognitivo - dificuldade de se concentrar, recordar, organizar, planejar e resolver problemas.

A pessoa pode ter sintomas de uma ou de todas as categorias (TAMMINGA, 2022, on-line).


Entre 5% e 6% das pessoas com esquizofrenia cometem suicídio, cerca de 20% tentam, e uma quantidade muito maior têm pensamentos suicidas significativos. O suicídio é a principal causa de morte prematura em pessoas jovens com esquizofrenia e é um dos principais motivos pelos quais a esquizofrenia causa uma redução de dez anos no tempo de vida médio. O risco de suicídio é maior em jovens do sexo masculino com esquizofrenia, especialmente se eles também tiverem um transtorno por uso de substâncias, como a cannabis. Já existem estudos que comprovam que o uso de maconha pode ser um dos gatilhos para o surgimento da esquizofrenia, principalmente quando usada na adolescência (TAMMINGA, 2022, on-line).


Outra informação importante é que, ao contrário da opinião popular, as pessoas com esquizofrenia têm apenas um risco discretamente elevado de comportamento violento. Ameaças de violência e surtos agressivos de menor gravidade são muito mais comuns que comportamento gravemente agressivo. Apenas um número muito pequeno de pessoas paranoicas, isoladas e gravemente deprimidas atacam ou matam alguém que consideram a única fonte de suas dificuldades (por exemplo, uma autoridade, uma pessoa famosa, o cônjuge). Assim sendo, devemos ter cuidado ao taxarmos o esquizofrênico de perigoso ou desenvolvermos teses preconceituosas sobre quem tem a doença (TAMMINGA, 2022, on-line).


Espiritismo e esquizofrenia

Ensina a Doutrina Espírita que as enfermidades são frutos das ações inadequadas do ser diante da vida. São infrações reiteradas dos códigos da Lei Divina (que rege toda a ação humana), com danos severos para si ou para outrem.


O ser, responsável pelos seus atos, usando o livre arbítrio para o mal, contraria sua consciência e fere o meio em que vive, criando espaço dentro de sua intimidade perispiritual para a doença. O grau de agressão à própria consciência vai depender do tipo de infração, da persistência dela e da sua nocividade. É o somatório desses fatores que leva o ser humano ao adoecimento mental.

(PAULO, 2011, p.109-110)


Essa interferência dos desencarnados, impondo sua vontade dominadora sobre aquele que o infelicitou no curso da existência anterior, produz distonia e afeta os neurotransmissores, facultando que moléculas – neuropeptídeos – responsáveis pelo equilíbrio das comunicações, os desconectem produzindo a alienação. (FRANCO, 2014, p.69)


Em O Livro dos Médiuns, capítulo XXIII, Allan Kardec procurou demonstrar que um grande número de pacientes que se encontrava internado em hospitais de alienados mentais não era louco, mas obsediado, tendo o cuidado de estabelecer igualmente que nem toda obsessão é apenas obsessão, sendo loucura. Mediante cuidadosa análise do tema, ao encerrar o admirável trabalho que é O Evangelho Segundo o Espiritismo, as suas palavras terminais advertem-nos que toda e qualquer manifestação obsessiva de largo prazo transforma-se em distúrbio de natureza cerebral e exige, na linguagem do seu tempo, o atendimento médico e magnético. Pode, portanto o problema ter natureza obsessiva e produzir um distúrbio neuronal imposto pelo ser perturbador, assim transformando-se em loucura. (PAULO, 2011, p.117)


Tratamento

Como tratamento para o esquizofrênico, podemos relacionar, além de neurolépticos (medicamentos que atuam nas psicoses), antidepressivos e estabilizadores de humor, os recursos que o Espiritismo oferece tais como a fluidoterapia (passes magnéticos, água fluidificada), reuniões de desobsessão (atividades mediúnicas onde se busca tratar os Espíritos perseguidores, também enfermos), diálogo fraterno e mudança de paradigma diante da vida (reforma íntima) estimulada pela psicoterapia, pelas palestras e estudos espíritas e pelos familiares através do amor.


Hoje, a medicina está buscando na fé, com a ajuda da oração, recursos terapêuticos maiores, no intuito de mobilizar forças internas do paciente e estabelecer ligação com o Criador. Atualmente, o recurso da fé em hospitais é visto não apenas como uma questão religiosa, mas como elemento salutar a benefício do paciente. (PAULO, 2011, p.114-115).


No que diz respeito às obsessões espirituais, o paciente é, também, o agente da própria cura. Não se transfere, portanto, para os passistas, doutrinadores e médiuns, a total responsabilidade nos tratamentos das obsessões. É certo que ocorrem amiúde curas temporárias, recuperações imediatas sem o concurso do enfermo. Sem dúvida, são concessões de acréscimo da Divindade. O problema, porém, retornará mais tarde, quando o devedor menos o espere, já que, a esse tempo, deverá estar melhor preparado para fazer o seu reajustamento moral e espiritual com a Lei divina. (FRANCO, 2015, p. 24-25)


Podemos encontrar na obra de Kardec, em O Livro dos Espíritos, perguntas e respostas sobre a esquizofrenia, tida naquela época, juntamente com as outras doenças e transtornos mentais, como loucura.


375. Qual, na loucura, a situação do Espírito?

- O Espírito, quando em liberdade, recebe diretamente suas impressões e diretamente exerce sua ação sobre a matéria. Encarnado, porém, ele se encontra em condições muito diversas e na contingência de só o fazer com o auxílio de órgãos especiais. Altere-se uma parte ou o conjunto de tais órgãos e eis que se lhe interrompem, no que destes dependam, sua ação ou suas impressões. Se perde os olhos, fica cego; se o ouvido, torna-se surdo etc. Imagina agora que seja o órgão que preside às manifestações da inteligência o atacado ou modificado, parcial ou inteiramente, e fácil te será compreender que, só tendo o Espírito a seu serviço órgãos incompletos ou alterados, uma perturbação resultará de que ele, por si mesmo e no seu foro íntimo, tem perfeita consciência, mas cujo curso não lhe está nas mãos deter” (KARDEC, 2022, 0. 167).


“375 a) - Então, o desorganizado é sempre o corpo e não o Espírito?

- Exatamente; mas, convém não perder de vista que, assim como o Espírito atua sobre a matéria, também esta reage sobre ele, dentro de certos limites, e que pode acontecer impressionar-se o Espírito temporariamente com a alteração dos órgãos pelos quais se manifesta e recebe as impressões. Pode mesmo suceder que, com a continuação, durando longo tempo a loucura, a repetição dos mesmos atos acabe por exercer sobre o Espírito uma influência, de que ele não se libertará senão depois de se haver libertado de toda impressão material” (KARDEC, 2022, p. 167).

“376. Por que razão a loucura leva o homem algumas vezes ao suicídio?

- O Espírito sofre pelo constrangimento em que se acha e pela impossibilidade em que se vê de manifestar-se livremente, donde o procurar na morte um meio de quebrar seus grilhões (KARDEC, 2022, p. 167).

“377. Depois da morte, o Espírito do alienado se ressente do desarranjo de suas faculdades?

- Pode ressentir-se, durante algum tempo após a morte, até que se desligue completamente da matéria, como o homem que desperta se ressente, por algum tempo, da perturbação em que o lançara o sono” (KARDEC, 2022, p. 167).

“378. De que modo a alteração do cérebro reage sobre o Espírito depois da morte?

- Como uma recordação. Um peso oprime o Espírito e, como ele não teve a compreensão de tudo o que se passou durante a sua loucura, sempre se faz mister um certo tempo, a fim de se por ao corrente de tudo. Por isso é que, quanto mais durar a loucura no curso da vida terrena, tanto mais lhe durará a incerteza, o constrangimento, depois da morte.

Liberto do corpo, o Espírito se ressente, por certo tempo, da impressão dos laços que àquele o prendiam” (KARDEC, 2022, p. 167-168).


Saúde mental

(Janaína Magalhães)


Devido à relevância

De tema muito atual

É unânime a concordância

Em cuidarmos da saúde mental


A depressão como mal do século

O suicídio a índices alarmantes

Crises de ansiedade aumentando

Situações bem preocupantes


Volvermos ao nosso interior

Procurarmos o equilíbrio

Irmos ao especialista que preciso for

Para mantermos corpo e mente sadios


Necessário se faz entender

A importância de quem também busca

Na fé e na espiritualidade

Ferramentas para sua cura


A doença é muitas vezes

Prova ou expiação

Processo de burilamento

Ao Espírito em evolução


Sejamos resignados

Diante da dor que aprimora

Humildade e ação no bem

São remédios que conduzem à melhora


===========

Referências

1- FRANCO, Divaldo. Grilhões Partidos. Ditado pelo espírito Manoel Philomeno de Miranda. 16. ed. Salvador: LEAL,2015


2- FRANCO, Divaldo. Triunfo Pessoal. Ditado pelo espírito Joanna De Ângelis. 8. ed. Salvador: LEAL, 2014.


3- KARDEC, Allan. O Livro dos Espíritos, tradução de Guillon Ribeiro. Campos dos Goytacazes: Letra Espírita, 2022.


4- PAULO, Jaider Rodrigues de. Doenças ou transtornos espirituais? . 1.ed. Belo Horizonte: Ame, 2011.

Quais são as causas da esquizofrenia? CEMEC - Centro Multidisciplinar de Estudos Clínicos Blog 2019 - Disponível em: https://cemecpesquisaclinica.com.br/quais-sao-as-causas-da-esquizofrenia/ Acesso em 03 de agosto de 2023


5- TAMMINGA, Carol, MD, UT Southwestern Medical Dallas – Esquizofrenia – Abril de 2022 - MANUAL MSD – Versão saúde para a família - Disponível em: https://www.msdmanuals.com/pt-br/casa/dist%C3%BArbios-de-sa%C3%BAde-mental/esquizofrenia-e-transtornos-relacionados/esquizofrenia Acesso em 03 de agosto de 2023

1.105 visualizações

Comments


Postagens Recentes