Tópicos

Quaresma na Visão Espírita


Por: Rafaela Paes de Campos


O período da Quaresma inicia-se na quarta-feira de cinzas, logo após o feriado de Carnaval e estende-se até o chamado Domingo de Ramos, período, portanto, de quarenta dias, que representa a permanência de Jesus no deserto em estado meditativo a fim de se preparar para a sua vida pública. Muito embora o Espiritismo não celebre tais datas, ele respeita todas as manifestações, sendo que para a Igreja Católica é um tempo de preparo para a Páscoa, momento em que convida seus fiéis a meditar a praticar penitências com jejum, caridade e oração.


No entendimento Espírita, portanto, tem-se que a caridade e as orações devem ser parte constante da rotina do encarnado, bem como demais práticas que levem a reflexão espiritual e possíveis arrependimentos. Trata-se de prática da reforma íntima, que deve ser levada a sério por aquele que já compreende a realidade da vida imaterial e imortal, sendo este o caminho para que todos nós evoluamos do ponto de vista moral na escala dos Espíritos.


A Quaresma, portanto, tratando-se de tempo de privações e mortificações segundo a tradição, encontra explicações em O Livro dos Espíritos, em seu livro III, capítulo V intitulado Lei de Conservação.


De acordo com a questão 720, as privações voluntárias que têm como objetivo uma expiação coletiva, têm mérito aos olhos de Deus, pois trata-se de fazer o bem ao próximo. E continua aduzindo na questão 720a, que são meritórias as que tem como condão a privar-se de gozos inúteis desprendendo, assim, o homem da matéria a fim de eleva-lo enquanto Espírito. “Meritório é resistir à tentação que induz aos excessos ou ao gozo das coisas inúteis; é retirar de seu necessário para dar aos que não têm o suficiente. Se a privação não passa de um simulacro, é uma derrisão” (KARDEC, 2018, p. 238).


Assim sendo, compreendemos mais uma vez que o ato externo por si só não auxilia na depuração do Espírito, ou seja, se algo é feito apena para que cumpra com ‘obrigações’ impostas pela sociedade, sem que haja no íntimo a vontade sincera de que aquilo sirva como meio de melhorar-se, nada se alterará.


Quando despidos de nosso invólucro material, o que nos acompanha é apenas nossa consciência e verdadeiras intenções. Se nos privamos apenas por convenções, sem visar um bem maior, não há intenção real e, por isso, não haverá auxílio para que nos aprimoremos. A Quaresma é período simbólico da maneira pela qual devemos caminhar todos os dias de nossas vidas, sendo um rito, não um lugar onde se faz algo apenas enquanto durar a regra.

Sermos melhores, praticar a caridade e nos desvencilharmos daquilo que é puramente material é exercício diário – e não se diz fácil - mas necessário para que cheguemos à perfeição que todos nós almejamos enquanto Espíritos que somos.


Outra prática bastante comum durante esses quarenta dias é os fiéis absterem-se da ingestão de carne. Tal tradição surge na Idade Antiga consolidando-se na Idade Média, onde as desigualdades sociais eram gritantes e os menos abastados raramente ingeriam carne. Assim, ela tornou-se um símbolo de gula, eis que era servida nos grandes banquetes das cortes nobres. Sendo então considerada parte de um dos pecados capitais da Igreja, esta recomendava aos fiéis que não a ingerissem durante a Quaresma (FEAL, 2018, on-line).


Materialmente falando, há muito o que se discutir do ponto de vista ambiental quando o assunto é ingestão de proteínas animais, o que não é o cerne deste artigo, mas socorre-nos mais uma vez O Livro dos Espíritos na questão 723:


Para o homem, a alimentação animal é contrária à Lei da Natureza?

Em sua constituição física, a carne nutre a carne, do contrário, o homem perece. A lei de conservação torna um dever, para o homem, manter as energias e a saúde para o cumprimento da lei do trabalho. Portanto, ele deve alimentar-se segundo o que exige seu organismo (KARDEC, 2018, p. 238).


Recomenda-nos, assim, a Espiritualidade, que nos alimentemos daquilo que nosso corpo necessita. Todos, possivelmente, conhecem alguém que não consegue comer carne e, por isso, seu corpo não possui tal demanda e ele se abstém. Mas muitos ainda necessitam, e o Espiritismo não o proíbe ou julga como um erro. Se mencionarmos brevemente – embora não seja o objetivo – as citadas questões ambientais, claro que se conseguirmos nos privar da alimentação animal um ou mais dias da semana, é meritório (privação para o bem coletivo).


Entretanto, diferentemente do que se impõe na visão Católica, o Espiritismo não compreende que haverá depuração pela não ingestão de carne durante quarenta dias. O que nos depura é aquilo que verdadeiramente reside em nossos corações e se externa de forma racional visando o bem próprio e dos outros.


Claro que, muito embora o Espiritismo não possua ritos, se você é Espírita e precisa de um ritual a seguir, que assim seja! Entretanto, cuide para que o que faz materialmente seja real para ti internamente.


Se a Quaresma é período de introspecção e reflexão, que assim façamos igualmente em outros dias, buscando em nós mesmos os defeitos ainda enraizados e busquemos melhora-los todos os dias, até que os extirpemos de nossas personalidades e bagagens de tantas e tantas encarnações. Não são quarenta dias que nos tornarão mais próximos da perfeição, mas sim os nossos esforços diários, sem pressa, mas sempre com constância.

Gostou deste artigo? Assista ao estudo ao vivo sobre ele na 2ª Semana Especial Letra Espírita, dia 02/03, em nosso canal no youtube. Acesse: www.youtube.com.br/letraespiritaoficial e se inscreva no canal, toque no sininho para receber as notificações.


==========

Referências Bibliográficas:

FEAL. Quaresma e Espiritismo. Disponível em: https://tvmundomaior.com.br/quaresma-e-espiritismo/. Acesso em: 03 de janeiro de 2022.


KARDEC, Allan. O Livros Espíritos. Tradução e redação final de Matheus Rodrigues de Camargo. 23ª Reimpressão. Capivari-SP. Editora EME. 2018.


633 visualizações
Postagens Recentes
Postagens Populares
Siga-nos
  • Logo para Site
  • Facebook Long Shadow
  • Twitter Long Shadow
  • Instagram Social Icon
Procure por  palavras chaves