Tópicos

Quem Vou Reencontrar Após o Desencarne?


Jéssica Araújo


No desencarne, o perispírito se desliga do corpo físico e dos restos mortais. As sensações ligadas entre o corpo físico e o espiritual podem perduram por algumas horas após o desencarne, não havendo mais a dor física, podendo ter um pouco de dor moral, dependendo de suas condutas e das consequências destas, quando ele terá que justificar isso a si mesmo. Conforme a evolução espiritual e moral, o desenlace terrestre acontece de forma leve e natural. Muitas vezes o desencarnado não sabe que desencarnou e continua com seus costumes de quando encarnado. Cada desencarnação é diferente da outra. Podemos observar o caso de André Luiz que, ao desencarnar, foi para o umbral e lá permaneceu por 8 anos. Ao ser resgatado pelos Espíritos socorristas, foi direcionado para Nosso Lar e levou um tempo para receber a visita da mãe, que estava em um plano superior ao dele.


Quando os Espíritos instrutores ou auxiliadores percebem que o desencarnado não tem noção de sua passagem, em alguns casos, montam imagens holográficas parecidas com a família terrena dos indivíduos. Assim, ficam algum tempo imaginando que ainda estão encarnados, a fim de tranquilizar esse Espírito e poderem encaminhá-lo para a continuidade. Sendo auxiliados por enfermeiros e espíritos preparados para auxiliar.


Em O Livro dos Espíritos são abordados e esclarecidos os reencontros após o desencarne:


Questão 286: Ao abandonar seus despojos mortais, a alma vê imediatamente os parentes e amigos que a precederam no mundo dos Espíritos?


- Imediatamente nem sempre é a palavra adequada, pois, como dissemos, a alma precisa de algum tempo para reconhecer-se e libertar-se do véu material. (KARDEC, 2001).


Cada desencarne é único e o desenlace do corpo espiritual dependerá do seu grau de evolução.


Questão 289: Nossos parentes e amigos às vezes vêm ao nosso encontro quando deixamos a Terra?


- Sim, eles vão ao encontro da alma que amam; cumprimentam-na como ao retorno de uma viagem, se ela escapou dos perigos do caminho, e ajudam-na a se desprender dos laços corporais. É um favor concedido aos Espíritos bons quando aqueles que os amam vão ao seu encontro, ao passo que aquele que ainda é impuro permanece nesse isolamento, ou rodeado apenas por Espíritos semelhantes a ele: é uma punição. (KARDEC, 2001).


Os Espíritos amigos esclarecem que o laço de amor supera dimensões, pois reencontraremos aqueles que nos amam verdadeiramente auxiliando no regresso da pátria espiritual; assim como os Espíritos atrasados, menos evoluídos, que permanecem na insistência do caminho sem amor e luz, atraem semelhantes que, muitas vezes, irão atrasar sua evolução.


Questão 290: Os parentes e amigos sempre se reúnem após a morte?


- Depende da sua elevação e do trajeto que seguem procurando progredir. Se um deles está mais adiantado e anda mais depressa que o outro, eles não poderão ficar juntos; poderão ver-se algumas vezes, mas só estarão juntos para sempre quando puderem caminhar lado a lado, ou, quando tiverem atingido a igualdade na perfeição. E depois, a privação da sua visão de seus parentes e amigos às vezes é uma punição. (KARDEC, 2001).


Quando estamos no mesmo grau de elevação e os que desencarnaram antes de nós não reencarnaram, poderemos nos reunir por um tempo, até a próxima reencarnação. A evolução do Espírito necessita da reencarnação para sua evolução.


A espiritualidade nos esclarece amorosamente que nossos atos são fundamentais para nossa evolução na infinitude do universo; são necessárias lapidações do Espírito para aparar as arestas do ego, vaidade, mesquinharia, inveja, preguiça, calúnias, e outros, para a evolução e elevação espiritual, para, assim, começar a colher os frutos do seu merecimento.


O Espírito nunca fica sozinho, a misericórdia de Deus é para todos sem distinção, sem julgamentos. Equipes socorristas e protetores sempre auxiliarão os necessitados.


O retorno ao mundo espiritual nos espera e, aqueles que amamos, que estão na erraticidade, olham e zelam por nós. Ao desencarnar, dependendo dos nossos méritos, poderemos revê-los com amorosidade e carinho.

REFERÊNCIA


KARDEC, Allan. O Livro dos Espíritos. 1ª ed. Capivari, SP: Editora EME, 2001.

XAVIER, Francisco Cândido. Nosso Lar. Disponível em: https://sites.google.com/site/spirityss/cx1fsadf/19-ChicoXavier-AndreLuiz-NossoLar.pdf?attredirects=0&d=1. Acesso em 10 out. 2021.

475 visualizações
Postagens Recentes