Tópicos

A Beleza do Ato Sexual


Algumas pessoas consideram o exercício sexual um ato impuro; outras uma distração, uma conquista, um vício, uma obrigação. Mas as que são sábias o elevam ao nível de oração, de poema, de pura troca de sentimentos e emoções.


Não se vai ao encontro de quem se ama sem antes convidar a ternura e o respeito, dois companheiros assíduos do ato sexual saudável, ritual onde se unem corpo e alma para a troca de energias psicofísicas.


Não se inicia o enlevo, obrigatório no ato sexual, sem esta boa lembrança: o sexo fez o lar e criou o belíssimo título de mãe, o mais nobre que uma mulher pode ostentar.


Não se conclui esse ritual delicado sem a certeza do compartilhamento, sem a convicção de acolher com responsabilidade e com afagos, o fruto que dele pode ser gerado.


Por isso pensemos no sexo como o jardineiro pensa em suas roseiras e o pastor em suas ovelhas. Nele o carinho é obrigatório e a vulgaridade deve ser inexistente.


Ousadia e criatividade


Entendamos que o ato sexual deve ser encarado como um conto de fadas no qual um casal precisa chegar a um castelo onde viverão felizes para sempre. O importante nessa viagem não é apenas a chegada, mas os preparativos, a paisagem, as curvas, os montes, a relva tenra e as fontes que antecedem à chegada. Extasiados com os aromas do caminho, a chegada é o ápice da entrega.


Pode ser pensado também como o trabalho de um confeiteiro, que precisando fazer um bolo especial para matar a fome de alguém muito amado, inicie misturando assim os ingredientes: uma pitada de ousadia, outra de criatividade, três quartos de amor, algumas gotas de deslumbramento, fermento para fazer corar, ternura a gosto, e carinho, muito carinho.


Não se convida para o leito do amor nem a pressa nem lembranças amargas. Nele predomina o aqui e o agora, caminho a ser percorrido com passos lentos e suaves. O mundo fica lá fora com suas belezas e agressões. No amor não há eu ou tu, apenas nós, metades que se fundem em um momento mágico.


Ninguém deve se envergonhar por expressar o seu amor no ato sexual. Que se aproveitem os aromas, os toques, os sons, o visual, o calor, o gosto do beijo, os arrepios, os sinos que tocam longe, mas sempre com a devida consideração a si e ao seu parceiro. Às vezes o casal se abraça e fica a sentir o cheiro, a pulsação, a respiração do outro, quietinho, imóvel como se ambos fossem uma só pessoa. Isso é tão gostoso que os enche de felicidade e dá vontade de perpetuar o momento. Para sentir prazer com quem se ama basta às vezes um olhar.


Um aconchego de almas


Portanto, não se sinta na obrigação de fazer sexo todos os dias, como se houvesse assinado um contrato, uma obrigação. O amor não escraviza, pelo contrário, liberta. Faça sexo com frequência e amor sempre. Lembre-se de que a função sexual deve ser presidida pelo amor. E o amor é aconchego de almas.


Um toque no rosto, um “eu te amo”, um verso aconchegante, uma flor, uma música calmante, um filme romântico, um abraço inesperado são, igualmente, maneiras de demonstrar amor.


Jamais esqueça de que o ato sexual, mesmo admitindo toda intimidade entre os amantes, é momento sagrado. É um presente que Deus nos deu para que possamos expressar nossa intimidade e amor por quem elegemos como parceiro para uma vida inteira.


=====

Conheça o Clube do Livro Letra Espírita em www.letraespirita.com.br e associe-se para receber em sua casa o melhor da literatura espírita.


*O livro "Pérolas Devolvidas" faz parte da seleção de Junho/19. Veja seleção completa do mês atual no site


Fonte: Editora Eme

Postagens Recentes
Postagens Populares
Siga-nos
  • Logo para Site
  • Facebook Long Shadow
  • Twitter Long Shadow
  • Instagram Social Icon
Procure por  palavras chaves

Contatos:

22  2724-0945

blog@letraespirita.com.br

© 2018 por Equipe Letra Espíírita