Tópicos

A Força do Pensamento

Atualizado: 21 de nov.



Aryanne Karine


O pensamento é fonte oculta de direcionamento de nossos passos, sem ao menos percebermos. Através dele temos acesso a inúmeros caminhos, ferramentas e possibilidades que, por vezes, ao aplicarmos o piloto automático em nossa vida, acabamos sendo levados pelas consequências daquilo que pensamos e, por conseguinte, emanamos. E é sobre isso que vamos falar hoje, a força que emana daquilo que achamos estar seguro em nosso íntimo, onde, com a errônea e vaga visão, acabamos limitando que nosso pensar a só nós mesmos pertence, quando, na verdade, o pensamento é energia. Essa energia é emanada através do fluido cósmico universal e recebida ou pela pessoa que estamos a pensar, ou pelos Espíritos desencarnados que são atraídos pela energia de nossos pensamentos e permanecem conosco, por um processo como um ímã que traz, para junto de nós, os afins que vibram na mesma sintonia.


Para exemplificar esse ponto de uma forma bem simplista, quando estamos pensando em festa, bebidas e diversão, iremos atrair, por sintonia, Espíritos que, mesmo após o desencarne, permanecem no vício e na vontade de se deliciar com esses prazeres que tinham enquanto encarnados. Esses Espíritos, por sua vez, fomentam em nós ainda mais vontade e desejo em festas e bebidas, formando uma teia que prende o indivíduo que ainda não aprendeu as armadilhas em que esses desencarnados nos colocam, ou que, mesmo que tenham aprendido, não vigiam seus atos e, principalmente, pensamentos, para assim se manter em equilíbrio. O exemplo pode se estender ainda mais, para pensamentos sexuais, por exemplo, atraindo Espíritos que queiram sugar a energia que puderem, ou, como outros exemplos, Espíritos avarentos que ainda se ligam aos bens materiais, ou os que ainda estão em um estado de evolução primitivo que carregam em si, no plano Espiritual, sentimentos como ódio e revolta, e que se ligam pelo pensamento conosco, encarnados, quando emanamos também esse tipo de pensamento.


Tudo começa por nós e nossos instintos íntimos, começa dentro de nossas cabeças e corações com as intenções que vagam no universo pelo nosso pensar. Apesar de pouco notado, é no pensamento que iniciam todas as ações e é imprescindível que o vigiemos a cada instante, pois através dele é que flui a energia em que estamos mergulhados. Como quando, por exemplo, entramos em algum ambiente onde houve uma discussão, seja qual for o motivo, e sentimos a energia pesada do local, energia essa que começou através daquilo que a pessoa em questão pensou e sentiu, e, por fim, dispersou pelo ambiente, ainda que inconsciente de tal processo. O fluido cósmico universal, que se encontra em todo espaço, é energia primária para criação de tudo que é animado e inanimado, orgânico e inorgânico, material e Espiritual. Tudo parte desse princípio que ocupa o espaço, sendo, então, através desse fluído, a comunicação e força que o pensamento possui para emanar e atrair os afins de nossa vibração. E isso é retratado no quinto livro da codificação Espírita, o livro A Gênese, onde Kardec nos elucida que, apesar de ser o intermediário do pensamento, ele não é o pensamento em si, mas o agente que o transporta e dá vida, onde, mesmo confundindo-os como sendo um só, são distintos entre si:


As propriedades do fluído perispitual dão-nos disso uma ideia. Ele não é inteligente por si mesmo porque é matéria, mas é o veículo do pensamento, das sensações e percepções do espírito. O fluído perispitual não é o pensamento do espírito, mas o agente e o intermediário desse pensamento. Sendo ele o que transmite, fica, de certo modo, impregnado do pensamento transmitido. Na impossibilidade em que nos achamos de isolar o pensamento, parece-nos que ele faz coro com o fluído, dando a entender que são uma coisa só, colo sucede com o som e o ar, de maneira que podemos, a bem dizer, materializá-lo. Assim como dizemos que o ar se torna sonoro, poderíamos, tomando o efeito pela causa, dizer que o fluído se torna inteligente. (KARDEC, 2013, p. 54).