Tópicos

Bipolaridade e Espiritismo


Fernanda Oliveira

Tanto as doenças orgânicas quanto as mentais refletem resultados de ações desequilibradas do Espírito; são consequências por sermos indisciplinados mentalmente, fisicamente, espiritualmente e emocionalmente. Segundo Allan Kardec: “As doenças fazem parte das provas e das vicissitudes da vida terrena; são inerentes à grosseria da nossa natureza material e à inferioridade do mundo que habitamos.” As heranças do passado próximo ou remoto dão lugar aos transtornos psicóticos e neurológicos; são múltiplas as manifestações de desequilíbrio mental e emocional cujas causas estão nos pensamentos, palavras e atos que constituem a existência. Refletem no perispírito e registram-se no corpo físico em reencarnações posteriores. As enfermidades mentais são efeitos e não causas.


Transtorno bipolar é um transtorno psiquiátrico que provoca alterações no comportamento e leva uma pessoa a oscilar entre momentos de euforia e depressão repentinamente. É uma doença crônica funcional do cérebro relacionada aos neurotransmissores cerebrais e está relacionada ao humor ou afeto. Caracteriza-se por alterações de humor, com episódios depressivos e maníacos ao longo da vida, afetando de 3 a 5 % da população mundial. A doença recebeu esse nome em 1986, substituindo o nome psicose maníaco depressiva. O indivíduo apresenta modificações na forma de pensar, agir e sentir, além de dualidade e emoções desequilibradas e desconexas.


O corpo físico expressa o que chega aos nossos pensamentos, atitudes, ao nosso interior e coração. As enfermidades fazem parte das provas e das vicissitudes da vida terrestre; não eliminamos nada do que fomos um dia - transformamos. Adoecemos quando nos desligamos das leis divinas.


A bipolaridade pode ter frequência, gravidade e duração variável. A pessoa não percebe as mudanças de humor entre a euforia e a depressão, e não vê como inconvenientes e estranhas as mudanças do seu comportamento. Os sintomas do transtorno bipolar podem variar de pessoa para pessoa.

A euforia é uma das fases que se caracteriza por um estado de exaltação do humor, com aumento de energia, sem qualquer relação com o momento que o indivíduo está vivendo; a pessoa se sente agitada ou inquieta, acelerada, eufórica ou muito irritada, podendo ficar agressiva verbalmente e/ou fisicamente. Não consegue se concentrar, faz muitas coisas ao mesmo tempo e geralmente não consegue finalizar as atividades iniciadas. O senso crítico e a capacidade de avaliação objetiva das situações ficam prejudicados ou ausentes, com explosões de raiva e fúria; planos irreais, sensação de poder, riqueza, autoconfiança, aumento da libido e desinibição. Já na depressão, o indivíduo vai da agitação à tristeza, da impulsividade À desmotivação, alternado períodos de grandiosidade, negatividade, agressividade, desinibição, irritabilidade com angústia, tristeza, sensação de vazio, cansaço, falta de concentração, redução da libido, insônia ou dormir demais, sentimento de culpa e fracasso, sem sentido na vida. Essas mudanças podem ocorrer de forma súbita e intensa, e o risco de tentativas de suicídio em pessoas com transtorno bipolar é grande. Os pacientes podem abusar do álcool ou de outras substâncias, piorando os sintomas.


O transtorno bipolar geralmente começa tipicamente na adolescência ou no início da idade adulta e continua ao longo da vida, instalando-se de maneira sutil, passando a ser uma constante no comportamento da pessoa. É uma doença que não é uma punição, e sim um recurso de aprendizado. Certos acontecimentos e enfermidades são permitidos para estimular o Espírito a cumprir sua jornada evolutiva. As doenças físicas e mentais são resultado de um comportamento desequilibrado da mente, expressando comprometimento do passado. Todo mal por nós praticado exterioriza de algum modo, formando lesões em nossa consciência, e toda lesão determina distúrbio ou mutilação no organismo, expondo o modo de ser, gerando a discordância psíquica e declarando a posição evolutiva de cada Espírito.


O mestre Jesus asseverou “A cada um segundo as suas obras”, a justiça divina é perfeita. Distonias mentais são efeito de atos anteriores, evidenciam o comprometimento do Espírito encarnado no atual corpo físico com limitações e transtornos variados.


Nem todas as doenças mentais têm origem na obsessão. Embora sejam de origem psíquica, a mente enferma refletirá a sua anormalidade sobre o perispírito, e este sobre o corpo carnal, que é escravo de ambos, através do sistema nervoso. A própria consciência que desperta se encarrega de reexaminar a ação maléfica e de impor o dever de resgate, programando a experiência reparadora. Não existem na Terra indivíduos que não passaram pelo caminho do erro para acertar, da sombra para enxergar a luz e da dor para apreciar o amor.


Através dos nossos pensamentos emocionais, intelectuais e morais atraímos Espíritos afins, que penetram no nosso pensamento e nos influenciam. Quando estamos na mesma faixa vibratória, nos conectamos ao Espírito desencarnado sofrendo o processo de obsessão, sendo coagido por automatismos vibratórios e entrando em sintonia com aqueles pensamentos. Tais Espíritos exercem uma influência sutil e eficiente e nos inspiram. A cura das obsessões requer paciência, perseverança, é um procedimento que se elabora gradativamente, trabalhando os sentimentos, a moral e a consciência, modificando a sintonia.


A personalidade é fruto do temperamento e do caráter; o comportamento egoísta é capaz de fazer o ser só pensar em si e nos seus interesses individuais, transformando emoções básicas e necessárias para a evolução pessoal em estados psíquicos e emotivos geradores de sofrimentos e enfermidades.


Um dos objetivos do Espiritismo é nos promover autonomia. A doutrina Espírita é um manual de educação integral oferecido a humanidade para a sua formação moral e espiritual na escola da Terra, com finalidade de promover o ser humano com fé racionada e ativa. Ninguém será precisamente da maneira que gostaria que fosse, e nem a vida vai acontecer exatamente como desejamos e planejamos que ela aconteça. As reencarnações e o tempo são instrumentos para transforma o ser.


A cura é a restauração biológica que reorienta o Espírito, é como perder o caminho, a direção e depois retornar para a rota. Dentro de cada um está a sua cura para todos os males. Não existe mudança nos efeitos se não mudarmos as causas. Nós somos o único obstáculo a ser vencido na busca por nossa realização. Devemos procurar cessar as causas para curarmos os efeitos. A aceitação da nossa condição mental traz perspectivas, sentido e propósito para a nossa vida.

O futuro é regido no presente, somos contrariados pela vida para que eduquemos nossas potencialidades, somos chamados a novos posicionamentos e pensamentos.

A vida merece ser preenchida por significados e propósitos relacionados com o momento que estamos passando, com escolhas conscientes. A gente muda, e as vontades e as prioridades também. Medicar, cuidar e tratar o organismo físico, procurar reestabelecer o psicológico e modificar o Espírito, alterando a causa que proporcionou a enfermidade mental. Allan Kardec ressalta: “O Espírito é o artista do próprio corpo, por ele talhado, por assim dizer, à feição das suas necessidades e as manifestações de suas tendências.”


Vamos caminhando buscando o nosso equilíbrio, cultivando pensamentos elevados e positivos e praticando o bem com muitas energias positivas.


“Evoluir é saber escolher”. (Dr. Sérgio Felipe de Oliveira)

REFERÊNCIAS


1- O Evangelho Segundo o Espiritismo- Allan Kardec- Editora Boa Nova


2- A vida na visão do espiritismo- Alexandre Caldini Neto- editora Sextante


3- Transtornos Mentais - Suely Schubert -Editora Intervidas

Postagens Recentes