Tópicos

Culpa e Espiritismo


Marisa Fonte


Então, aproximando-se dele, disse-lhe Pedro: “Senhor, quantas vezes perdoarei a meu irmão, quando

houver pecado contra mim? Até sete vezes?”– Respondeu-lhe Jesus:

“Não vos digo que perdoeis até sete vezes, mas até setenta vezes sete vezes.” (S. MATEUS, 18:15, 21 e 22.)

- O Evangelho segundo o Espiritismo, capítulo 10


Perdoemos sempre. E como disse o nosso Mestre, Jesus, não sete vezes, mas até setenta vezes sete. Essa é uma atitude realmente nobre, pois muitas vezes o outro erra conosco simplesmente por desconhecer uma forma diferente de fazer as coisas. Mas, será que aplicamos esse mesmo ensinamento de Jesus a nós mesmos? Será que perdoamos as nossas faltas ao menos sete vezes a fim de não vivermos nos acusando por havermos feito coisas das quais nos arrependemos e por causa das quais muitas vezes amargamos uma existência inteira de infortúnio? Será que perdoarmos a nós mesmos é difícil? Tudo indica que sim, pois a multidão de seres que se arrastam pela vida carregando culpas por vezes inexistentes e sempre inúteis é bem numerosa.


Por um lado, é o desconhecimento de como se fazer de modo diferente ou de como fazer melhor que nega a nós mesmos o perdão. Outras vezes é a falta de olhar para si usando da mesma compaixão que se aplica ao nosso próximo que nos impede de oferecermos a nós mesmos o tão necessário perdão das nossas faltas. E lá vamos nós carregando um fardo muito maior do que aguentamos levar, colocado em nossas costas por nós mesmos, que sem analisarmos os fatos simplesmente nos julgamos e condenamos, ou – ainda pior – muitas vezes apenas nos condenamos e sem qualquer julgamento ou análise, a carregar miseravelmente uma culpa que nunca deveria estar nas nossas costas.


A culpa é, na verdade, algo que nasce por entendermos que alguém errou, e, normalmente, não se para a fim de entender que cada um oferece apenas aquilo que possui. Ora, se eu errei foi por não saber fazer de modo diferente, ou por pensar que estava fazendo o mais acertado, uma vez que segundo o meu entender aquele era o melhor a fazer naquele momento.


Todos nós temos um lado chamado de sombra, que fica oculto no nosso inconsciente. Essa ideia da sombra foi desenvolvida pelo psiquiatra suíço Carl Gustav Jung (1875-1961), e podemos definir a sombra como o lado da nossa personalidade que engloba tudo o que julgamos negativo, seja por pensarmos assim, seja por aprendermos assim. Dessa forma, raiva, ciúme, inveja, entre outros sentimentos, ficam ocultos em nós, e a culpa por sentirmos coisas consideradas erradas ou menos nobres começa a pesar na nossa vida, assim como coisas que sabemos que poderíamos ter feito melhor, mas não sabíamos como, ou coisas que outros julgam que deveríamos ter feito de outro modo, mas que também não fizemos por não sabermos na ocasião, agir de modo diferente. O fato é que não podemos contentar a todos, e se indagarmos a várias pessoas sobre como teriam agido em nosso lugar, muitas teriam feito exatamente como fizemos e outras teriam agido de forma totalmente distinta.


Para muitos, esse lado sombrio é sinônimo de algo ruim de que não queremos nos lembrar, ou que evitamos reconhecer que temos. Porém, é preciso reconhecer esse lado da nossa personalidade, a fim de que possamos olhar tudo de frente e controlar e também equilibrar essas “qualidades negativas” que escondemos às vezes até de nós mesmos, e que se rejeitamos pode eclodir em algum momento da nossa vida.

E o sentimento de culpa? Ele também faz parte desse nosso lado sombra. E como lidar com esse sentimento nocivo? Antes de qualquer coisa, pare de se deixar sentir culpado, pois a culpa é o idealismo, o “eu deveria”. Nós erramos por ignorância, pois ignoramos como fazer de modo diferente. Concorda que se soubesse teria feito diferente? Pois é, fez como soube, como acreditou que seria melhor na ocasião. E, vamos parar de usar aquela ideia que sempre nos vem à mente quando sentimos que gostaríamos de ter feito diferente: “se eu soubesse teria feito diferente”. Aí está. Não sabia, não fez, fez o que soube, e é impossível voltar ao passado para mudar qualquer coisa. O importante é aprender com as lições e fazer melhor daqui em diante usando a experiência e o conhecimento que adquiriu. E aceite que haverá de errar ainda muitas vezes no decorrer da vida. E aqui cabe dizer que não falamos de erros absurdamente grandes, mas até de simples “foras” que damos a todo o momento. Então, aprenda a se perdoar e tenha a humildade de aceitar que não sabe tudo.


Segundo os preceitos espíritas, há duas causas psicológicas da culpa: a que procede da sombra escura do passado devido a males praticados contra outras pessoas e a que tem a sua origem na infância.

O espírito Nise da Silveira, diz que precisamos utilizar a culpa para o nosso crescimento. Segundo ela, é preciso reconhecer a culpa, arrepender-se e de, pois se transformar. Portanto, é preciso refletir e agir.


Concluindo, o primeiro passo para se livrar do peso da culpa é aceitar você sem se deixar sentir errado/a. Se insistir em sentir culpa a energia gira contra você. Então, seja melhor para você e dê força para você! Aceite os seus pontos fracos, assuma o seu poder e procure melhorar os seus pontos fortes e fortalecer os pontos fracos. Siga a sua intuição, o seu eu interior e a sua essência espiritual. Seja verdadeiro/a com você e assim se torne imune ao mal. Essa é a sua melhor proteção e a sua melhor defesa.


Fique do seu lado sempre, pois se ficar contra você, qual a reação que espera que os outros tenham em relação a você?


REFERÊNCIAS:


KARDEC, Allan. O Evangelho Segundo o Espiritismo. Tradução e redação final de Matheus Rodrigues de Camargo. 43ª Reimpressão. Capivari-SP. Editora EME. 2019.

XAVIER, Francisco Cândido. Pensamento e vida. Pelo espírito Emmanuel, psicografia, edição FEB

NORONHA, Iraci Campos. Reconstruindo Emoções. Pelo espírito Nise da Silveira, psicografia, Consciência/Intelítera

Postagens Recentes