Tópicos

Processo de Desligamento no Momento da Morte


Rafaela Paes de Campos


A vida e a morte são os dois grandes movimentos da existência. O primeiro sempre vem acompanhado de imensa alegria por aqueles que esperam a chegada do novo ente e, o último, sempre carrega o fardo da tristeza pela separação. A vida não nos assusta, mas a morte, via de regra, sim, e muito se pensa a respeito da forma pela qual esse processo de partida se dá. Para isso, socorre-nos a sabedoria de O Livro dos Espíritos.


Primeiramente há que se mencionar que a separação da alma e do corpo se dá pelo rompimento dos laços que prendem uma à outra e, com isso, a alma então se desprende. Esse processo não se dá de forma abrupta, mas gradual, eis que “o Espírito se desprende pouco a pouco dos laços que o prendiam: eles se desatam, não se rompem” (KARDEC, 2018, p. 89).


Para os que estão iniciando os estudos nas sendas Espíritas, cabe informar o que traz Kardec em nota à questão 155.a:


Durante a vida, o Espírito está unido ao corpo por seu envoltório semimaterial ou perispírito. A morte é a destruição apenas do corpo, e não desse segundo envoltório, que se separa do corpo quando nele cessa a vida orgânica. A observação prova que, no instante da morte, o desprendimento do perispírito não se completa subitamente; opera-se gradualmente, com uma lentidão muito variável, conforme os indivíduos. Em alguns, é bem rápido, e pode-se dizer que o momento da morte é o mesmo da libertação, algumas horas depois. Mas em outros, sobretudo aqueles cuja vida toda foi exageradamente material e sensual, o desprendimento é muito mais lento e algumas vezes pode durar dias, semanas e até meses, o que não implica que haja nos corpos a menor vitalidade, nem a possibilidade de um retorno à vida, mas uma simples afinidade entre o Espírito e o corpo, que se deve sempre à importância que o Espírito deu à matéria durante a vida. De fato, é racional conceber que quanto mais o Espírito estiver identificado com a matéria, mais ele sofrerá para separar-se dela, ao passo que a atividade intelectual e moral, a elevação dos pensamentos, operam um início de desprendimento, mesmo durante a vida do corpo, e quando chega a morte, o desprendimento é quase instantâneo. Este é o resultado de estudos feitos sobre todos os indivíduos observados no momento da morte. Essas observações provam ainda que a afinidade que em certos indivíduos persiste entre a alma e o corpo é, às vezes, muito penosa, pois o Espírito pode experimentar o horror da decomposição. Esse caso é excepcional e peculiar a certos gêneros de vida e a certos gêneros de mortes; mostra-se em alguns casos de suicidas. (KARDEC, 2018, p. 89).


Uma informação bastante importante é trazida neste trecho, eis que a velocidade do desprendimento da alma e do corpo será ditada pela forma com que a alma viveu na materialidade. Sabemos o quanto é importante que entendamos que os bens materiais são empréstimos transitórios para a vida terrena, ou seja, não os levaremos. É no aperfeiçoamento moral que mora a riqueza que nos permitirão levar no retorno à vida Espírita e, por isso, quanto mais nos apegamos à matéria, mais lento será o processo de desprendimento, eis que o Espírito dá demasiada importância aquilo que, pelas leis que regem a vida, é perecível.


Seguindo, esse desprendimento não é doloroso, pois a alma nada sente e pode até sentir certo prazer, uma vez que é o momento da libertação da prisão na qual se configura o corpo material (KARDEC, 2018, p. 88).