top of page
Tópicos

A Civilização Egípcia


Sobre a civilização egípcia, insta iniciar o presente artigo com uma mensagem deixada por Emmanuel: “Dentre os Espíritos degredados na Terra, os que constituíram a civilização egípcia foram os que mais se destacavam na prática do bem e no culto da verdade. Aliás, importa considerar que eram eles os que menos débitos possuíam perante o tribunal da Justiça Divina. Em razão dos seus elevados patrimônios morais, guardaram no íntimo uma lembrança mais viva das experiências de sua pátria distante. Um único desejo os animava, que era trabalhar devotadamente pata regressar, um dia, aos seus penates resplandecentes. Uma saudade torturante do céu foi a base de todas as suas organizações religiosas. Em nenhuma civilização da Terra o culto da morte foi tão altamente desenvolvido. Em todos os corações morava a ansiedade de voltar ao orbe distante, ao qual se sentiam presos pelos mais santos afetos. Foi por esse motivo que, representando uma das mais belas e adiantadas civilizações de todos os tempos, as expressões do antigo Egito desapareceram para sempre do plano tangível do planeta. Depois de perpetuarem nas pirâmides os seus avançados conhecimentos, todos os espíritos daquela região africana regressaram à pátria sideral”.


A ciência trazida pelos egípcios em nada se comparava a existente naquela época. Sendo assim, pode-se dizer que o antigo Egito possuía uma ciência secreta, trabalhada no secreto dos templos com compromissos sérios por parte de seus iniciados. Esses conhecimentos eram restritos aos mais graduados sacerdotes. Aquela civilização sabia que a revelação de grandes verdades espirituais eram inoportunas para o momento em que viviam naquela fase de progresso da Terra.


Nesses círculos restritos, os grandes sacerdotes sabiam da existência de um Deus único e absoluto, mas também sabiam da importância dos espíritos prepostos de Jesus. Foi então que deram início ao culto politeísta, com numerosos deuses, que eram tidos como senhores da Terra e do céu, do homem e da natureza. Era um politeísmo simbólico, que se encaixava perfeitamente à evolução da população do planeta naqueles tempos.


O povo egípcio tinha uma preocupação enorme com a morte, e viviam a vida como um mero esforço para bem morrer. Eles tinham consciência do seu doloroso degredo no planeta Terra, e sentindo-se humilhados, criaram para si a teoria da metempsicose, hipótese em que acreditavam que a alma de um homem poderia regressar no corpo de um ser irracional como uma punição dos deuses.


Os grandes sacerdotes tinham pleno conhecimento das ciências psíquicas, do destino e da comunicação dos mortos, bem como da pluralidade de existências e de mundos. Prova disso é que vários afrescos da época apresentam o homem acompanhado do seu duplo espiritual. Além disso, os papiros falam de suas avançadas ciências nesse sentido, possibilitando que os egiptólogos da atualidade conhecessem que os iniciados tinha consciência da existência de um corpo espiritual que precedia o corpo físico.


O conhecimento egípcio acerca das energias solares e o magnetismo humano eram maiores do que hoje sabemos, e assim nasceram os processos de mumificação, que infelizmente tiveram suas técnicas perdidas no tempo pela indiferença de outros povos. Sendo assim, entende-se que a desencarnação, para eles, era uma concentração mágica de vontades, e por isso, eles cercam os túmulos de toda a veneração e respeito possíveis, e isso não se traduzia apenas na mumificação. Sabe-se que os túmulos eram santificados por um estranho magnetismo que ainda nos desafia o entendimento. Nesse sentido, curioso mencionar que aviadores ingleses já relataram que aparelhos radiofônicos não funcionam quando os aviões adentram na atmosfera do vale sagrado.


Cristo auxiliou esse povo enviando-lhes auxiliares e mensageiros que os inspiravam para suas realizações, estas que atravessaram os tempos e provocam, ainda, admiração e respeito. Assim, impulsionados pelas forças do Alto, sugere-se a construção das grandes pirâmides, que teriam duas finalidades: representar os mais sagrados templos de estudo e iniciação e servir como um livro do passado, com as mais singulares profecias das obscuridades do futuro. As pirâmides causam admiração da engenharia até hoje, não só pelas toneladas de pedras e nem pelo esforço para empilha-las, mas também porque elas revelam extraordinários conhecimentos daqueles espíritos sobre as verdades da vida. Nas pirâmides, encontram-se roteiros do futuro, cada medida tem uma simbologia relativa ao sistema cosmogônico do planeta e sua posição no sistema solar. Nelas encontra-se o meridiano ideal que através mais continentes e menos oceanos, por meio do qual se pode calcular a extensão de terras habitáveis pelo homem, a distancia da Terra até o Sol, a longitude percorrida pelo globo terrestre sobre a sua órbita em um dia, a precessão dos equinócios e outras diversas conquistas cientificas que hoje estão sendo consolidadas pela astronomia.


Após tais conquistas, os grandes iniciados egípcios retornaram ao plano espiritual e, com seu regresso ao mundo de Capela, seus conhecimentos foram desaparecendo. Entretanto, ainda hoje alguns reencarnam na Terra para o cumprimento de abençoadas missões. Exemplo disso nos traz o autor Carlos Alberto Brava em sua obra "Chico, Diálogos e Recordações". Ao longo de quase 50 anos de convívio com o médium, o autor recebeu várias revelações sobre vidas passadas no planeta por meio de seu trabalho num grupo de desobsessão que Chico participava, chamado Grupo Coração Aberto, conforme leremos a seguir.


Dentre essas revelações, soube-se que Chico foi Hapshepsut, no Egito, aproximadamente de 1490 a 1450 a.C., sendo uma farani, feminino de faraó, que herdou o trono com a morte de seu irmão. Ela suspendeu os processos bélicos e de expansão territorial do Egito, viveu quando surgiram as escritas em papiros, sendo muito respeitada e admirada pelo povo. Era obesa e diabética, desencarnando com aproximadamente 40 anos, tendo governado o Egito por 22 anos sozinha. Chico também foi Chams, também no Egito, por volta do ano 800 a.C., uma rainha do Egito durante a vigência do império babilônico de Cemirames. Outros amigos de Chico também viveram naquela época, como Camilo Chaves, Arnaldo Rocha e Emmanuel, que era sacerdote e professor de Chams.


*Rafaela Paes é colunista voluntária do Blog Letra Espírita. Leia outros artigos de sua autoria clicando aqui.

3.300 visualizações

Комментарии


Postagens Recentes
Postagens Populares
Siga-nos
  • Logo para Site
  • Facebook Long Shadow
  • Twitter Long Shadow
  • Instagram Social Icon
Procure por  palavras chaves
bottom of page