Tópicos

Reencarnar é Viver



Leda Maria Flaborea


A ressurreição de Lázaro simboliza a reencarnação.

A volta de Lázaro à vida sob o comando de Jesus é uma das passagens mais conhecidas no Evangelho (João, 11: 1-46), e quem a conhece sabe que ela se apresenta em três fases distintas. Senão, vejamos: Na primeira fase, temos o Mestre pedindo àqueles que o acompanhavam que retirassem a pesada pedra que tapava a cripta onde Lázaro estava sepultado.

Na segunda, encontramos Jesus ordenando ao próprio Lázaro que acordasse e saísse.

E, na terceira, que ele fosse desatado dos panos que cobriam seu corpo, costume praticado na época, e que fosse libertado. Em se tratando de Jesus não nos surpreende tal feito. Entretanto, precisamos ir um pouco mais além. O que, na verdade, representa Lázaro para nós cristãos e, sobretudo, para nós espíritas?

No nosso entender, à luz da Doutrina Espírita, a passagem evangélica conhecida como a ressurreição de Lázaro, pode representar a reencarnação – temos a chance de voltar em novo corpo para novas experiências planetárias – ou o recomeço, como uma oportunidade de nos libertarmos das angústias, remorsos, medos, imperfeições e viciações de toda ordem e quilate que permeiam nossa existência, ainda hoje. Tudo isso representa, afinal, os panos que nos cobrem os olhos e que não nos permite ver além da vida material. Cada um de nós já experimentou o sentimento de culpa – ainda hoje agasalhamos muitos -, seguido pelo arrependimento, remorso e o retorno ao caminho do bem. E, justamente, por já havermos vivido tal situação, entendemos o que significa recomeçar. Assim, quando Jesus trouxe Lázaro à vida, não lhe devolveu apenas o corpo perecível, mas libertou-o, também, dos seus enganos pretéritos a fim de que pudesse atender às novas experiências que teria, a partir daquele momento. Ao dizer “desatai-o e deixai-o ir” Ele o estava libertando de si mesmo, de suas culpas, para a nova vida. Lázaro, beneficiado com a moratória dos débitos acumulados em tempos passados, estava agora livre. Isso não é o processo reencarnatório? Isso não é recomeçar? Acreditamos que sim. Somos, ainda, Lázaros nesta existência porque:

Primeiro - ainda nos conservamos presos a lembranças de culpas, inconscientes ou não, remotas ou não, que nos mantêm atados a situações que muitas vezes nada mais têm a ver com o que vivemos atualmente.

Segundo – cristalizamos em nossas mentes pessoas que em algum momento destruíram nossos sonhos e nossos ideais, que zombaram de nossas esperanças, que nos levaram à desilusão e ao abandono.

Quando permanecemos nesse estado mental, assemelhamo-nos a mortos – como Lázaro – na gruta de nossas recordações agoniadas que nos envenenam o corpo e o Espírito. E essa gruta representa, certamente, o orgulho, o egoísmo, os ressentimentos e mágoas que nos mantêm presos a velhas ilusões, que não morrem dentro de nós porque não permitimos que isso aconteça. Todas as vezes que nos lembramos, reavivamos antigas feridas. Nós as alimentamos, tornando-as nossas inimigas ferrenhas e inimigas que não nos dão tréguas. É preciso nos livrarmos delas! Emmanuel nos adverte que apenas esse gesto não é suficiente para nossa evolução. Necessitamos caminhar um pouco mais, irmos além. De que modo podemos fazer isso?

Nos diz o Instrutor Espiritual que é preciso auxiliar essas criaturas para que elas também se soltem dos grilhões que as prendem às suas próprias culpas e remorsos. O caminho proposto por ele é o de não condená-las, não azedar seus sentimentos com cobranças e lembranças e o de libertá-las, através da caridade do perdão e do esquecimento. Ao agirmos assim estaremos permitindo a nós mesmos a possibilidade de um recomeço mais luminoso e feliz. Dessa forma, quanto mais rapidamente as libertarmos, mais rapidamente elas regressam ao caminho do bem e nós à independência. Retornemos à passagem evangélica: a pedra que nos impedia de sair para a luz, já foi retirada por amigos encarnados e desencarnados – hoje possuímos mais entendimento que ontem. Todavia, para acordarmos e sairmos da cripta na qual nos enclausuramos, muitos de nós ainda necessitam da ordem de Jesus no íntimo de nossas consciências para dar esse passo. Mas, isto não basta. Precisamos, agora, caminhar despertos e esclarecidos em direção ao amor do Pai, e para que isso aconteça o Mestre aguarda de cada um de nós a fidelidade aos seus ensinamentos, a renúncia definitiva às ilusões terrenas e a firme vontade na realização desse empreendimento evolutivo.

Sem vontade firme e coragem de nossa parte para fazer o que deve ser feito, o convite de Jesus para que acordemos não se concretizará. Somos senhores do nosso destino e herdeiros de nossas escolhas.

#Reencarnação #LedaMariaFlaborea

Postagens Recentes
Postagens Populares
Siga-nos
  • Logo para Site
  • Facebook Long Shadow
  • Twitter Long Shadow
  • Instagram Social Icon
Procure por  palavras chaves

Contatos:

22  2724-0945

blog@letraespirita.com.br

© 2018 por Equipe Letra Espíírita