top of page
Tópicos

O Natal Segundo a Doutrina Espírita


Carla Silvério Barbosa


Estamos no mês de dezembro, época do ano que tradicionalmente “respira” os ares do natal e das festividades de final de ano.


Contudo, muitos comemoram esta data sem sequer imaginar as suas origens e o seu real significado, que vai muito mais além do que trocar presentes e compartilhar a ceia na madrugada do dia 24 para o dia 25.


Afinal, o que o natal?


Como surgiu essa data festiva na humanidade?


O natal como o conhecemos nos dias atuais tem sua origem no paganismo do Século II D.C., por volta de 274 D.C., quando o então imperador romano Aureliano determinou que se comemorasse o início do solstício de inverno com homenagens ao Deus-Sol Natalis Solis Invicti (Deus-Sol Invicto)[1].


O Cristianismo incorporou essa festividade pagã e a transformou na comemoração do nascimento de Jesus de Nazaré, considerado pelos cristãos até os dias atuais como o “Sol”, filho de Deus, a encarnação da justiça divina, personificação da “luz do mundo”[2].


Sabe-se que historicamente não há nenhuma comprovação de que Jesus de Nazaré tenha nascido numa noite de 25 de dezembro, até mesmo porque, à época de seu nascimento sequer existia o calendário e o sistema de datas utilizados hoje.


O decreto de que o nascimento de Jesus de Nazaré seria comemorado pelos cristãos no dia 25 de dezembro somente veio a ser estabelecido durante o papado de Julio I, no Século III D.C. e considerado feriado no Império Romano apenas com o Imperador Justiniano, no ano de 529 D.C.[3].


A Igreja Católica, no princípio do Cristianismo, percebeu que teria que usar de artifícios para cristianizar o povo romano, que até então era praticante do paganismo politeísta (religião oficial do Império Romano até 380 D.C., quando Teodósio I instituiu o Édito de Tessalônica [4], decretando a partir daí o Cristianismo como religião oficial de todo império) e usou de datas e divindades pagãs como ponto de partida para a introdução da nova doutrina que surgia naquele povo, a exemplo da figura de Jesus de Nazaré no lugar do Deus-Sol Invicto, e tantas outras incorporações da cultura pagã usada pelo Cristianismo primitivo como forma de se aproximar dos novos fiéis e conquistar a sua simpatia.


Desde a idade média até os dias atuais, o Cristianismo passou por diversas modificações e adaptações ao longo dos séculos, e com ele, transformou-se também o significado do Natal em meio à humanidade.


Como tempo surgiu a figura do presépio (inventado por Francisco de Assis), a árvore de natal (inventada por Martinho Lutero), papai noel (ou São Nicolau, bispo turco do Século IV que viveu em Mira, onde atualmente é a Turquia e que no seus aniversário dava presentes para as crianças locais), trenó com henas voadoras, presentes de natal (que remonta aos três reis magos que foram até Jesus de Nazaré em seu nascimento para lhes presentear) e toda a simbologia natalina da atualidade.


Em meio a toda a movimentação comercial e publicitária que hoje toma conta do natal e de toda a sua simbologia, muitos se perguntam qual seria o verdadeiro sentido do natal.


O natal não é apenas um dia festivo em que compartilhamos o jantar com familiares e amigos e trocamos presentes. Vai muito mais além!


Numa data em que lembramos e festejamos o nascimento de Jesus de Nazaré, nosso maior exemplo e grande governador espiritual do orbe terrestre devemos ter em mente o verdadeiro sentido do natal, revivendo em nossos corações as valiosas lições morais deixadas pelo Mestre enquanto esteve reencarnado no meio dos homens.


E o Espiritismo, comemora o natal?


Para a Doutrina Espírita, o natal é o momento de profunda reflexão, de ponderação de nossa conduta tanto vista intimamente como para com os demais, a respeito da mensagem que Jesus nos deixou e que até hoje temos dificuldade em entende-la e vivenciá-la.


Assim como ocorre em todo o mundo cristão do ocidente, todo dia 25 de dezembro é comemorado o nascimento de Jesus, e para o Espíritas não poderia ser diferente, haja vista que o Espiritismo é doutrina cristã, fundada por Jesus e apenas codificada por Allan Kardec.


Jesus de Nazaré, como dito, é considerado o grande Sol da humanidade e não por acaso foi escolhido o dia 25 de dezembro como marco para sua festividade natalícia.


Como grande Sol da humanidade, ele nos guia pelo caminho reto da porta estreia, rumo à depuração de nossas faltas e falhas, em direção à elevação máxima do Espírito.


Nas palavras ensinadas pelo próprio Jesus o “caminho, a verdade e a vida” (Jo 14:6, BÍBLIA SAGRADA) [5].


Como ensina Emmanuel[6]:

As comemorações do Natal conduzem-nos o entendimento à eterna lição de humildade de Jesus, no momento preciso em que a sua mensagem de amor felicitou o coração das criaturas, fazendo-nos sentir, ainda, o sabor de atualidade dos seus divinos ensinamentos. A Manjedoura foi o Caminho. A exemplificação era a Verdade. O Calvário constituía a Vida. Sem o Caminho, o homem terrestre não atingirá os tesouros da Verdade e da Vida.


Jesus desde o seu reencarne na Terra vem deixando valiosas lições à humanidade, por meio de palavras e por suas exemplares ações tomadas em meio aos homens distanciados da senda do bem pelos equívocos cometidos nas existências desajustadas e obscurec